Déficit do setor elétrico faz conta de luz aumentar 4,65%



O consumidor brasileiro sentiu um alívio momentâneo com o anúncio do fim da cobrança da tarifa referente à bandeira Escassez Hídrica na conta de energia elétrica, que era de R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos. Conforme o Governo Federal, com a recuperação dos reservatórios das usinas hidrelétricas, a conta de luz deve diminuir 20% a partir deste mês e permanecer com a bandeira tarifária verde até o fim de 2022. Na classificação verde, a tarifa não sofre acréscimo.


No entanto, a conta de energia elétrica nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste ficará 4,65% mais cara. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o aumento ocorre em função de um déficit de R$ 30,219 bilhões da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), que é o Fundo que financia subsídios para consumidores de baixa renda e rurais, o pagamento de indenizações de concessões e incentiva o programa de subvenção à expansão da malha de gás natural, entre outras questões.


Ainda de acordo com a Aneel, o déficit pode diminuir caso a CDE receba R$ 5 bilhões adicionais a partir do processo de privatização da Eletrobras.


Mesmo com a economia da bandeira verde, os consumidores podem preparar o bolso para gastos extras. Isso porque a partir de 2023, as tarifas serão mais altas para cobrir empréstimos feitos para arcar com os impactos da crise hídrica do ano passado.


E agora, como se proteger dos encargos da conta de luz?

Não dependendo de energia gerada por fontes não renováveis.


Mesmo com uma ou outra redução, a tendência é de que a energia elétrica custe cada vez mais no Brasil.


A energia solar fotovoltaica é a melhor alternativa para quem quer garantia de economia e energia de qualidade. Porém, é importante ficar atento às regras do Marco Legal da Geração Distribuída, que prevê que os consumidores que produzem energia solar também terão de pagar encargos estabelecidos pela Aneel.


A cobrança será feita gradualmente e seguirá uma regra de transição nos próximos anos. Mas aqueles que instalarem um sistema de energia solar em até 12 meses, a partir da data da sanção em 7 de janeiro de 2022, terão os mesmos benefícios de quem já usa energia solar. Mesmo com as cobranças de encargos, usar energia solar continuará sendo muito vantajoso!


Se você quer aproveitar os benefícios, não espere mais! Faça a simulação gratuita aqui no site e solicite seu orçamento. Invista no projeto de energia solar fotovoltaica e economize até 95% na conta de luz.