Energia renovável: novo momento no cenário brasileiro



2021: um ano de grande expectativa em diversos segmentos do país, mas em especial àquele voltado para as energias renováveis. Armazenar fontes energéticas limpas pode trazer diversos benefícios, como a diminuição das emissões de gases de efeito estufa no mundo, o combate às drásticas mudanças climáticas, a conservação de recursos naturais, além de garantir contas de luz mais baratas. Situação que beneficiaria a economia do país como um todo. E a boa notícia é que essa realidade parece estar cada vez mais próxima.


Você já ouviu falar isso? Estamos nos aproximando da conclusão de um dos projetos nacionais que abordam o processo de armazenamento de energia em escala comercial no Brasil, vindos da chamada pública da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), lançada em 2016. Um dos objetivos é utilizar a tecnologia de armazenamento de energia por longos períodos para tentar resolver a sazonalidade e a intermitência das fontes energéticas solar e eólica.


Tudo indica que, no próximo ano, vários projetos sejam apresentados com iniciativas de como fazer esse armazenamento. Um deles seria focado na integração entre as energias renováveis. E você deve estar se perguntando como funcionaria isso. Certo?


A diversidade de fontes energéticas renováveis e suas características se complementam. Ou seja, enquanto uma não estiver fornecendo energia, a outra pode suprir esta necessidade, o que traria benefícios ao meio ambiente e bem-estar a população. Como exemplo temos a energia hídrica e a energia solar.


Os especialistas consideram a possibilidade de operar duas plantas de forma conjugada: uma hidrelétrica e outra solar, assim a integração pode aproveitar áreas remanescentes de construção de barragens e reservatórios de usinas hidrelétricas. Utilizando também suas próprias superfícies para instalar plantas solares sobre o solo e até mesmo, sobre os rios.


Durante o dia aproveita-se a energia solar priorizando o desenvolvimento da geração do conjunto formado com a hidrelétrica, enquanto se preserva a água no reservatório, alterando a prioridade nos períodos noturnos. Assim o armazenamento de energia resguarda o sistema ante a intermitência.


O foco principal com todo esse avanço e adaptação na área é diminuir cada vez mais a emissão de gases estufa que vêm da geração de energia elétrica. Um primeiro passo para uma mudança que está em ascensão e que promete trazer dias melhores para as nossas vidas, para o nosso bolso e para o meio ambiente.


Você conhece algum projeto de armazenamento integrado? Com anos de experiência no mercado, a Proinst dedica profissionais para desenvolvimento e estudo de iniciativas como estas. Venha conhecer hoje mesmo!